Veja também

terça-feira, 7 de março de 2017

O PORÃO

Resumo: 

Ruan espreita seu irmão mais velho durante a noite, pois desconfia que ele está escondendo algo no porão de sua casa.



O PORÃO

UM CONTO

DE 

MUDO
&
LADY

Em uma velha casa... Por volta da meia noite, Ruan espreitava pela fresta da porta da sala, que dava de frente para o corredor que levava ao porão. Seu irmão mais velho descia com um copo de leite e bolachas.
- Raul descendo pro porão com um copo de leite e bolachas? - Questiona-se, mas sem poder perguntar a Raul, que tinha dito que iria dormir. Mas a curiosidade não permitiu que ele deixasse esse fato para trás. Sentia uma necessidade de saber o que seu irmão foi fazer ali, àquela hora da noite.
Ele o aguardou, sem conseguir parar de olhar para o relógio. Parecia que o tempo custava a passar quando se tinha um relógio como companhia, já que os ponteiros se moviam como um homem velho caminhando, dando um passo por vez, bem lentamente, com muito esforço, por conta do cansaço da idade. Ruan se encostou na parede fria e continuou esperando. Se passaram alguns minutos e seu irmão ainda não subira, e de tanto esperar, uma visita chegou sem ser convidada: "o sono". E Ruan sabia que ele só ia embora depois que desse o que ele desejava.
Ruan acordou com o barulho da porta se abrindo. O sono conseguiu o que queria, mas foi embora na hora certa - Ufa - Murmurou, aliviado por seu irmão ter subido as escadas direto pro quarto, pois se o encontrasse ali, teria que pensar em uma desculpa, que com certeza não enganaria ninguém. Então, se levantou e foi para o porão. Abriu a porta bem devagar para não fazer barulho, acendeu a luz e fechou a porta; desceu, pisando levemente em cada degrau, sem fazer barulho... mas algo lá em baixo não se importou com isso... Alguns sons foram ouvidos, como se fosse algo batendo em caixas de papelão - Não são ratos. Se fossem ratos, correriam com a minha chegada - Pensou, o que o deixou mais curioso. Caminhou até o final do porão, onde estava muito escuro... Apertou o interruptor e acendeu a lâmpada.

Ruan 
- Não acredito! Como ele pôde fazer isso?!! - Disse, impressionado, ao ver 4 cadáveres e uma mulher ainda com vida, amordaçada e amarrada. Ela se agitou muito ao vê-lo. Ele pediu para que a jovem se acalmasse e não gritasse, e assim que ela ficou mais tranquila, retirou sua mordaça.

Garota
- Por favor, me ajuda...- Sussurrou, demonstrando uma fraqueza em sua fala. 

Ruan
- Há quanto tempo está aqui?

Garota
- Não sei... Há alguns dias... Ele me tortura, depois me droga e me esconde em uma caixa! Me tira daqui, por favor!

Ruan
- Acha que está aqui há mais de um semana?

Garota
- Talvez... Perdi a noção do tempo... Por favor, me ajuda!

Ruan
- Não acredito nisso! Como ele teve coragem de fazer uma coisa destas?!!

Garota
- Ele é doente! Um maluco!

Ruan
- E mentiroso também... - Disse isso dando um leve sorriso - Ele disse que tinha trazido, apenas quatro pessoas pra gente brincar, não cinco.

Garota
- O quê?!

Ruan
- Maldito egoísta! Escondeu você de mim! Mas não faz mal... Vou compensar o tempo perdido. Talvez até quebre você pra ele não ter com o que brincar...

Gorota
- Pelo amor de Deus, não aguento mais! Por que estão fazendo isso comigo?! - Choramingou suas últimas palavras, enquanto Ruan colocava a mordaça em sua boca novamente.

Ruan
- Como assim vocês? Não fiz nada, ainda...


Ruan passou a mão pelo rosto da jovem,  como um gesto de carinho, enquanto dizia: - Bom, deixe-me pensar por onde começo... Arranco suas unhas? Corto suas orelhas ou furo um de seus olhos? Afinal, não posso furar os dois... você tem o direito de admirar o que vou fazer com você.

por: Mudo e Lady

Nenhum comentário:

Postar um comentário